terça-feira, 23 de janeiro de 2018

COMO QUE SE FALA MESMO?


            Certamente ao encontrar uma pessoa com deficiência, você já deve ter tido a dúvida de como se referir a nós, certo? Essa dúvida é muito comum, pois além da falta de informação, o receio de perguntar ou até o medo pode causar algum constrangimento.
            Hoje em dia já se sabe que o termo oficial é "pessoal com deficiência" (PCD), mas já fomos chamados de aleijados, inválidos, defeituosos, excepcionais.Todos termos que de certa forma eram pejorativos às pessoas com deficiência. Mas, importante destacar, que todos esses termos eram considerados oficiais, na Constituição de 1934, é comum encontrar os termos "aleijado, incapacitado, defeituoso e desvalido", na Constituição de 1937, surge o termo "excepcional" e somente através da Emenda Constitucional n° 12 de 1978, apareceu o termo "pessoa deficiente", já a Constituição de 1988, trouxe o termo "portadores de deficiência". Somente em 2009, na Convenção Internacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência, que foi promulgada no Brasil pelo Decreto n° 6949/2009, trouxe a nomenclatura oficial: pessoa com deficiência.
            Como você pode ver ao longo dos anos muitas foram às formas de denominar as pessoas com deficiência, desde as mais pejorativas como aleijado ou defeituoso, até excepcional ou mesmo portador, esse um erro de interpretação,uma deficiência nunca poderá ser portada já que não é um objeto. Nem citei aqui a pior de todas que é "portadores de necessidades especiais", que para mim, é a soma de todos os erros possíveis para se referir a uma pessoa com deficiência.
            Vale lembrar também que a deficiência não pode ser vista como um acessório, que você tem a opção de portar ou não, desta forma, qualquer denominação com a palavra "portador" está errada. Já a denominação oficial "pessoa com deficiência" demonstra que a deficiência faz parte do corpo e, principalmente, humaniza a forma de tratar, ou seja, ser "pessoa com deficiência" é, antes de tudo ser pessoa.
            A discussão terminológica é muito ampla, existem inúmeros estudos e maneiras de se interpretar, porém, a mais correta até o momento, é a fornecida pela Convenção de 2009, não é possível saber se ela vai ser permanente ou em breve vai sofrer alguma alteração. De fato a terminologia, é importante para evitar preconceito, e certos constrangimentos, mas vale lembrar que antes de qualquer sigla ou deficiência existe uma pessoa e essa pessoa tem nome e sobrenome, e pode apostar que ela gostaria de ser chamada pelo nome.

            O conceito de "pessoa com deficiência" ainda é um conceito em construção, ele é o resultado da interação das pessoas com deficiência e as barreiras que enfrentamos diariamente e, que por vezes, nos impedem de ter efetiva e igualitária participação na sociedade. A partir desses conceitos,a deficiência deve ser pensada, como algo que resulta do indivíduo. A deficiência é uma característica humana, por isso, cabe a cada um de nós entender a potencialidade da figura humana, que vai muito além de um corpo físico.



2 comentários:

  1. Luiz Fernando Lima dourado28 de janeiro de 2018 12:06

    Realmente, ninguém porta uma deficiência. A pessoa pode nascer ou adquirí - lá durante a sua existência.

    ResponderExcluir